Galeria: Fabio Alencar

0

trasgo_10_original_fabio

anastasia

elvira

fallout

flora

monalari

zeusa

ackbar


foto_fabioalencar

Fabio Alencar é formado em Design Digital e atua como ilustrador freelancer com foco em concept art. Além de matar Super Mutantes nas horas vagas, Fabio gosta de livros, filmes, séries, cachorros e chocolate.

De onde veio a ideia para essa capa da Trasgo?

Pessoalmente, eu sempre tive problemas com temas livres. Desde os tempos da escola, quando chegava aquela folha sulfite em branco na mesa e a professora falava “desenho livre”, a única coisa que vinha na minha cabeça era “puts, e agora?” — são infinitas possibilidades! Por sorte, eu sou mais criativo hoje em dia do que naquela época e possuo uma maior bagagem de referências também. Para a capa, resolvi juntar três coisas que eu gosto: medieval, pós-apocalipse e máscaras de gás (porque elas são incríveis). Tenho uma relação de amor muito intensa com The Last of Us e Game of Thrones, joguei bastante Skyrim e agora estou no Fallout 4, a ideia foi fazer um mash up de tudo isso.

Gostei bastante de como você retratou a personagem. Mesmo sem revelar seu rosto, a pose, o cabelo e as roupas dizem bastante sobre a personalidade dela. Pelo seu portfólio, dá para ver que você gosta bastante de desenhar personagens. Como é o processo de concepção delas?

Gosto muito de desenhar personagens, especialmente personagens mulheres. Elas têm traços mais suaves, fluidos e cativantes, na minha opinião. Normalmente, eu trabalho com um tema de base. O que ela faz? Do que ela gosta? Como é sua personalidade? São conceitos bem básicos na criação de qualquer personagem, isso ajuda a definir uma pose interessante, expressão, acessórios, cores, etc.

Sei que você já trabalhou com ilustração de livros educativos infantis. Que tipo de lições você aprendeu durante esse tempo e como elas refletiram no desenvolvimento da sua arte?

Sim, durante dois anos. Foi uma experiência interessante porque eu tinha muita dificuldade em fazer um traço infantil: meu desenho era muito “adulto”, com proporções mais realistas. Hoje em dia é o contrário, muitas vezes eu me encontro infantilizando certas características mesmo quando eu não quero. Quem acompanha meu trabalho há bastante tempo sabe o quanto eu evoluí de uns anos pra cá. Sair da zona de conforto, estar ao lado de pessoas criativas, e, principalmente, DESENHAR TODOS OS DIAS fez com que eu melhorasse muito em um período curto de tempo. Comecei a experimentar novos estilos, técnicas tradicionais e a estudar constantemente. É engraçado pensar que há dois anos eu não conhecia mais de 5 ilustradores. Hoje em dia, posso dizer que grande parte dos meus amigos são artistas.

Quais são seus artistas preferidos e que te influenciaram mais?

Essa é sempre uma pergunta difícil de responder, citar nomes é complicado quando existem tantos artistas excelentes explodindo em todo canto. Apesar de não levar traços de mangá pras minhas ilustrações, não posso deixar de comentar do Akira Toriyama, esse japa que tornou a minha infância uma época feliz através de Dragon Ball Z. Inclusive, eu realmente percebi que gostava de desenhar nessa época da minha infância. Tenho pastas e pastas de desenhos de DBZ. Alguém lembra da revista Ultra Jovem? Pois é…

Gosto muito da Disney também. Tarzan foi a primeira animação que eu assisti no cinema, foi um marco pra mim. O traço do Glen Keane tem uma fluidez invejável, é algo que eu espero conseguir aplicar com excelência no meu trabalho um dia. Elvgren, Mike Azevedo, Jason Chan, Johannes Helgeson, Dice Tsutsumi e tantos outros que não vão caber na resposta.

Quais são suas principais fontes de inspiração?

Não consigo desenhar sem ouvir música. Já li muitas vezes que o cérebro não se concentra nas duas coisas ao mesmo tempo, mas é algo que está além de mim. Uma boa trilha de filme ou simplesmente uma banda instrumental servem como grande fonte de inspiração. Quem nunca desenhou ouvindo a trilha da Amelie Poulain, por exemplo? (risos) Na maioria das vezes eu opto por uma pegada meio espacial… uma das minhas bandas preferidas para ouvir enquanto desenho é God is an Astronaut, fica a indicação.

Pelo que percebi, você trabalha mais com pintura digital. Essa é sua técnica preferida ou existe alguma outra técnica que está desenvolvendo?

Pintura digital é meu estilo preferido. No entanto, sou bem versátil em relação a isso, faço um pouco de tudo. Tenho bastante experiência com ilustração vetorial por causa do trabalho com materiais didáticos e também sou aspirante a animador.

Quais são seus planos agora que está trabalhando como freelancer? Em quais projetos você anda trabalhando?

Sair do emprego fixo pra virar freelancer foi uma decisão de risco, ainda mais na atual situação do Brasil. Resolvi arriscar por ainda ser novo e morar com a minha mãe, talvez eu não tivesse a mesma chance daqui a alguns anos. A parte boa de você não ter um trabalho fixo é que tempo se torna um recurso mais recorrente. Além de conseguir estudar com uma constância muito maior, sou capaz de trabalhar em alguns projetos pessoais. Atualmente, venho trabalhando em um jogo de cartas com tema folclórico e em um livro ilustrado com alguns amigos. Outros projetos, como a produção de um curta pessoal e o desenvolvimento oficial do meu TCC, permanecem engavetados por enquanto.

Para quem se interessou pelo seu trabalho, onde podemos encontrar mais sobre você e entrar em contato?

Vocês podem me encontrar no Facebook, Instagram, Tumblr e Behance como @fabioalencarart. Se alguém quiser bater um papo, é só chamar!

Entrei recentemente para o Patreon também (patreon.com/FabioAlencarArt), é um site que funciona nos mesmos princípios do Padrim, você paga uma pequena quantia por mês para receber conteúdos exclusivos do criador que você apoia. Deem uma passada lá, e se alguém curtir o meu trabalho e quiser apoiar com o mínimo possível eu ficarei muito agradecido!

E-mail pra contato é fabio.alencar17@gmail.com

Última pergunta: Fallout 4 ou Skyrim?

Não sou capaz de opinar (risos). Depois de muitas flechadas no joelho e muitos ghouls me dando tapas na cara, só posso dizer que os dois jogos são excelentes. Me mandem prints por e-mail dos bugs que vocês encontrarem (risos)!

Enrico Tuosto
Enrico Tuosto
Enrico Tuosto é escritor, revisor da Trasgo e rockstar fracassado. Também cuida das redes sociais e da newsletter da revista, mas o que ele gosta mesmo de fazer é jogar RPG. enricotuosto.tumblr.com/writing

Gostou desse conteúdo? Seja nosso padrinho ou madrinha e nos ajude a trazer mais autores e autoras na Trasgo! Com a partir de um real por mês você colabora com a revista e tem acesso a cursos, promoções e mais!

padrim-site Clique no banner ou acesse padrim.com.br/trasgo

Comente

Antes de enviar um comentário, por favor leia os Termos de Uso.